sábado, 15 de outubro de 2011

AÇORDA À MINHA MODA


Adoro açorda ou não fosse eu alentejana, não é verdade!!!!!
Esta é uma sopinha que faço imensas vezes quando estou sozinha para o almoço, cá em casa só eu gosto. Mas faço de maneira diferente da tradicional, ainda assim com os mesmos ingredientes, é que como é em tão pouca quantidade que acaba por ser dificil de bater os ingredientes no almofariz, então aqui vai, como eu faço, e que fica igualmente bom e com muito menos trabalho......

Ingredientes (para 1 pessoa)

1 dente de alho
1 raminho de poejo
1 colher de chá mal cheia de pimentão
2 colheres de chá de azeite
2 fatias de pão de preferência do dia anterior
1 ovo 
sal p.b
àgua

Ponho a água a ferver , tempero com sal  e ponho o ovo a escalfar.
No copo da varinha mágica, coloco o alho, o poejo (só as folhas), o pimentão e o azeite, depois do ovo estar cozido, retiro da água e deito um pouquinho de água também no copo da varinha e trituro tudo muito bem, de seguida acrescento mais um pouquinho de água.
Entretanto corto o pão aos cubinhos, coloco numa taça,o ovo e junta-se o anterior preparado, e está a nossa açordinha pronta.
Espero que esta minha ideia vos agrade!!!

Curiosidade:
Agora ao escrever o post lembrei-me de uma história que se passou comingo quando tinha para ai 10 -11 anos e que tem a ver com a çorda.
Um dia cheguei a casa à hora de almoço, mas não me agradava o que a minha mãe tinha preparado, então ela disse-me: -Olha se não queres o que aí está , faz tu outra coisa porque eu tenho de ir trabalhar e não tenho vagar. Ora bem, foi o que eu quiz ouvir, meti logo mãos à obra para fazer a minha açordinha. Quando a minha mãe chegou mais tarde perguntou-me o que é que eu tinha feito, eu disse que que tinha feito açorda, perguntou que ingredientes eu tinha posto, eu toda muito lampeira e toda contente com a proeza de ter feito a açorda sozinha, lá começei a dizer, e diz a minha mãe: -Então e não pusseste azeite?, eu respondi: -Não, ah também leva azeite?Mas não faz mal estava boa na mesma!!!!!
É com os erros que se aprende!!!!!!!!E nunca mais me esqueci do azeite,lol!!!!



8 comentários:

  1. Deliciosa a tua história amiga Élia que me deixou aqui a sorrir pois tenho uma parecida à tua hehehe. Como Alentejanas estes pratinhos enchem-nos a alma e alimentam o nosso coração e ficam os cheiros e estas memorias..

    Beijinhos doces e bom fim de semana!!

    ResponderEliminar
  2. Muito boa Élia amiga....bjokinhas a esse coração mais lindo...

    ResponderEliminar
  3. Se há coisa que não esquecemos são episódios risonhos da nossa infância.
    E bela açorda:-)

    ResponderEliminar
  4. Olá,
    Eu não sou alentejana mas tenho uma costela da qual me orgulho bastante o meu pai era alentejano, era um excelente cozinheiro, fazia açorda diferente da tua, da qual tenho muitas saudades de comer, mas isto tudo para te dizer que a tua ficou óptima e mais te digo é mesmo com os erros que se aprende.
    Beijinhos grandes e tem um feliz domingo

    ResponderEliminar
  5. Élia que bela açorda, é uma sopa que também gosto muito. Mas não foste só tu que fizeste açorda sem azeite, a minha mãe à uns tempos fez o mesmo, faltava qualquer coisa realmente, mas o quê? Até que ela percebesse que era o azeite...
    Um beijinho

    ResponderEliminar
  6. Olá Élia

    Adorei encontrar vc aqui na blogolândia. Sou Kinha do blog AMIGA DA MODA e vim conhecer seu espaço. Gostei e já estou te seguindo. Vou aguardar a sua visita e ficarei feliz se me seguir também.

    Bjooooooooooooo......................
    www.amigadamoda1.com

    ResponderEliminar
  7. Também sou grande apreciadora de açordas, gostei bastante da que apresentas, parabéns!

    ResponderEliminar
  8. Adoro uma bela açorda! A tua está excelente!

    ResponderEliminar